Viena

Como muito comércio não abre aos domingos em Viena, decidimos visitar Schönbrunn Palace e Belvedere no domingo e deixarmos para conhecer o centro de Viena na segunda. Começamos pelo Naschmarkt que é o maior mercado da cidade. Há barraquinhas de frutas, verduras, legumes, carnes, peixes, pães, roupas etc, mas também há cafés, bares e restaurantes. É um lugar cheio de coisas bonitas e gostosas e você pode passar horas por lá, seja de manhã, a tarde ou a noite. Porém, ele funciona de segunda a sexta das 6h às 19h30, aos sábados das 6h às 17h e é fechado aos domingos. Os restaurantes e cafés ficam abertos até tarde nesses dias, mas o restante do mercado fecha. Então caso queira vê-lo completo, vá nesses horários citados anteriormente.

Continuar lendo

Anúncios

Dia 2 – Cartago e Sidi bou Said

Decidimos ir para Cartago de manhã e Sidi bou Said a tarde em nosso segundo dia na Tunísia (viagem realizada em Abril/2014). Saimos cedo do hotel, andamos pela avenida Habib Bourguiba até a estação do TGM. Passamos pela famosa Tour de L’horloge no caminho.DSC_0160

Compramos o bilhete por 0,70 TND por pessoa e fomos até a 11ª estação chamada Carthage Hannibal. Não teve muito erro, pois só tinha um trem e era uma única linha, portanto sem baldiações. Foi só seguir o pessoal, entrar no trem (que estava cheio) e aguardar até nosso destino, o que levou entre 20 a 30 minutos.

DSC_0547

Untitled

Não espere o conforto de um trem europeu. O trem é antigo, bem simples e dá a impressão que não foi renovado há muitos anos. Muita gente fica na porta, às vezes com o corpo para fora. Achei super perigoso, mas eles parecem estar bem acostumados com isso.

DSC_0384

Chegando na estação de Cartago, nos perdemos. Começamos a seguir um monte de gente que saiu do trem e subiu a rua. Eles não eram turistas e logo cada um foi para um lado. Andamos por uns BONS minutos, já que eu queria encontrar Thermes d’Antonin, mas estávamos na direção oposta…. não iríamos achar mesmo por lá. Perguntamos para algumas pessoas na rua, todos nos mandavam para diferentes direções e tentávamos entender as mímicas e as explicações em francês apenas. Acho que cada um tentava explicar e nos mandar para um lado, porque nós perguntávamos os nomes dos lugares em inglês, e não em francês. Por isso acho que eles não entendiam muito bem.

DSC_0161 DSC_0164

Depois de muito tempo andando desisti de encontrar esse lugar e nos dirigimos para o Museu de Cartago (esse sim era subindo a rua saindo da estação).

DSC_0167

DSC_0173

Passamos um bom tempo lá vendo o museu. O ingresso custou 10 TND por pessoa e dá direito a ir em várias atrações na região, com o mesmo ticket. Isso porque no ingresso tem o nome de todos os lugares que você pode visitar como Amphithéâtre, Villas Romaines, Théâtre Romain, Musée Paléochretien, Musée de Carthagem Tophet de Salambo, Thermes d’Antonin, Quartier Magon. Ao chegar no lugar é só mostrar o seu ingresso que eles marcam a caneta que você esteve por lá. Pagamos mais 1 TND para termos a autorização para tirarmos fotos nos lugares.

DSC_0549

DSC_0178 DSC_0188

 

DSC_0195 DSC_0196

 

DSC_0215 DSC_0207

 

DSC_0240No Museu perguntamos para 03 pessoas diferentes que falavam mais ou menos inglês onde ficava o tal Thermes d’Antonin. Eles explicaram que ficava do outro lado da estação de trem (não explicaram assim tão fácil, mas conseguimos entender a mensagem).

Nos dirigimos para lá e finalmente achamos! Então, saindo da estação Carthage Hannibal, se você subir a rua dará no Museu. Se descer a rua dará no Thermes d’Antonin e outras atrações que fomos.

DSC_0330

Eu queria muito conhecer esse lugar, pois escutei que era o lugar mais bem preservado e realmente achei mesmo. Os demais lugares não são tão preservados assim… uma pena. Cartago é muito bonito com várias casas bem grandes e bonitas. Já dá para reparar que o bairro é bem rico.

DSC_0257

DSC_0260

DSC_0272 DSC_0274

 

DSC_0282 DSC_0286

 

DSC_0304

Ali perto tem o Quartier Magon que também passamos, mas não achei muito interessante não. Está tudo bem destruído e você não consegue ver quase nada infelizmente.

DSC_0381

Depois caminhamos para Villas Romaines e Théâtre Romain. Você encontra algumas placas com indicações nas ruas para essas atrações, então consegue ter uma noção de onde ficam.

DSC_0341 DSC_0350

 

DSC_0359

DSC_0372

A tarde pegamos o trem novamente e andamos uma estação até Carthage Présidence, pois a linha estava em manutenção e o ponto final era ali. Saindo da estação pegamos um ônibus (ele já fica parado na porta esperando as pessoas que chegaram com o trem) e não precisamos pagar nada, pois o valor já estava incluso na passagem que tínhamos comprado. Conhecemos dois adolescentes que nos falaram que ponto tínhamos que descer para irmos à Sidi bou Said, mas várias pessoas descem nesse mesmo ponto e você já avista do ônibus as lojas brancas com portas azuis.

Descendo do ônibus conhecemos um casal (um tunisiano e uma japonesa) que nos indicaram qual diração deveríamos ir, nos contaram a história de amor deles e nos acompanharam até o Cafe des Nattes, um dos mais famosos e típicos da cidade. Paramos para tomar alguma coisa, já que estava quente e estávamos andando desde cedo.

DSC_0449

DSC_0388

Depois percorremos com calma as ruazinhas com suas casas brancas com portas azuis, e até achamos uma com uma porta diferente. Várias lojinhas vendendo roupas, sapatos, souvenirs, etc. Lembre-se de pechinchar! Lá também você deve tomar cuidado com o troco e conferir direitinho, pois eles dão troco errado.

DSC_0437

DSC_0428 DSC_0433

DSC_0443 DSC_0440

DSC_0430 DSC_0459

 

 

 

 

 

 

 

DSC_0463

DSC_0465

Decidimos então parar para comer algo e fomos para o Cafe des Delices que fica meio “escondido”, mas tem uma vista maravilhosa. Chegando lá ficamos super confusos, pois foi um tal de vários garçons nos persuadirem para sentarmos em mesas diferentes. Demoramos um pouco para entender o porquê, já que tinham mesas em vários andares diferentes, mas tudo fazia parte do mesmo estabelecimento. Depois entendemos que cada garçom cuidava de um pavimento e eles ficavam nessa “disputa” de clientes por causa das gorjetas.

Enfim, comemos e bebemos e até experimentamos o típico chá de Pinus deles. No final pedimos a conta e o garçom pediu para levantarmos da mesa. Pediu a conta, já tem que desocupar o lugar! E a conta, nos dois cafés em Sidi bou Said, os garçons apenas falaram o valor sem mostrar os cálculos. Ao pedirmos, ele disseram não ter recibo e que os valores estavam corretos. Se o total estava certo ou errado? Só se eu desse uma de detetive, porque nem no cardápio tinha o valor de tudo. Bebida, por exemplo, achei o valor só num menu na parede do restaurante e ainda estava tampado com fita. Ou seja, tivemos que confiar no garçom e claro, conferir direitinho o troco!

DSC_0499

DSC_0521

DSC_0514 DSC_0502

 

DSC_0505

Andamos mais um pouco por lá e nos dirigimos para o ponto de ônibus para voltarmos à Tunis. Compramos a passagem de volta na bilheteria em frente ao ponto de ônibus e fizemos o mesmo percurso da ida.

DSC_0495

DSC_0489 DSC_0455

Dia 3 – Munique

O terceiro dia na cidade foi bem tranquilo, mas andamos bastante. Apesar da cidade não ser tão pequena, se você estiver acostumado a andar bastante, consegue fazer várias coisas a pé. Fomos ao English Garten pela manhã. Estava frio, mas ensolarado, portanto seguimos para o parque. É um dos maiores parques urbanos do mundo e em outras épocas, com um calorzinho, o beer garden de lá fica lotado.

Perto do Chinese Tower também tinha um Mercado de Natal, porém bem pequeno. Estava cheio de crianças pequenas em excursões para aproveitar aquela sexta ao ar livre. O parque é lindo e você consegue passar o dia lá.

20131213_112537_Richtone(HDR)

DSC_0989 DSC_0996

DSC_0969

Atravessamos o parque e fomos para a Leopoldstrasse, avenida com restaurantes, cafés e lojas. Andamos por lá voltando em direção ao centro (saímos do centro e atravessamos o parque, porém na volta ao invés de voltarmos pelo parque novamente, decidimos voltar por essa avenida). Passamos pela escultura do Walking Man e pelo Siegestor, arco triunfal com uma estátua no topo.

DSC_1001 DSC_1008

DSC_1005

Paramos para almoçar no Mercado de Natal Medieval que tínhamos visitado no dia anterior e que comentei no outro post. Estava bem vazio por causa do horário e por ser dia de semana. Comi um pão sírio com frango, curry e sour cream que vinha numa cumbuca (deixei um valor como depósito e depois que devolvi a cumbuca, eles devolveram o dinheiro). Já o Klaus comeu um espeto grande com carne de porco enrolado com pão.

DSC_1030 DSC_1031

DSC_1018

DSC_1021

Logo depois nos dirigimos para o Deutsches Museum (custo € 8,50/pessoa e não aceita cartão), um dos mais antigos museus de ciência e tecnologia do mundo. Ficamos umas boas horas por lá até fechar, quando nos dirigimos para o centro novamente para andarmos mais.

DSC_0065

DSC_0008 DSC_0051

DSC_0041 DSC_0053

20131213_153945

Aproveitamos para passar na estação de metrô Karlsplatz, pois conhecemos um austríaco no albergue no dia anterior que nos contou que estava em Munique para compras de final de ano, então aproveitei para perguntar onde tinha um supermercado legal na cidade para que eu pudesse comprar bolachas e chocolates típicos da Alemanha. Ele me aconselhou então ir até Karlsplatz e descer as escadas, como quem vai em direção ao metrô. Ali embaixo tem muitas lojas, restaurantes e uma loja de departamento super legal, onde tem um supermecado bacana onde encontrei bastante coisas em promoção. Adorei, pois até então só tinha encontrado supermercado simples no bairro do albergue.

20131213_100221 20131213_094601

20131213_094120

Dia 2 – Munique

Em nosso segundo dia resolvemos comprar o ticket diário para pegarmos transporte público. Compramos os bilhetes na máquina na estação de trem Hauptbahnhof que era ao lado do nosso albergue e custou € 10,60/até 05 pessoas (isso mesmo, você não leu errado, pois compramos um tipo de bilhete que é válido para até 05 pessoas por esse preço).

Já havia feito uma pesquisa e o site Sunday Cooks é excelente e me ajudou muito com informações de metrô em Munique. Há ônibus, trams e metrôs, esses divididos em U-Bahn (linhas mais centrais da cidade) e S-Bahn (linhas que dão acesso a pontos mais distantes do centro, exemplo aeroporto).

metromunich02-450x319

Quando cheguei à estação tinham 02 tipos de máquinas para se comprar ticket. Um deles é mais comum de se achar na estação Hauptbanhof, por poder comprar também passagens para outras cidades. Caso você compre nessa máquina que vende todos os tipos de bilhetes (para dentro e fora da cidade), então selecione a língua desejada na parte inferior da tela e clique na parte MVV para comprar o passe apenas para Munique.

20131213_091255

20131212_091611

Feito isso selecione o tipo de ticket que você quer comprar. No meu caso, cliquei no “all-day tickets”, pois utilizaria transporte público o dia todo.

20131212_091646

Depois selecione quantos bilhetes você quer. No meu caso era para meu marido e eu, portanto “Partner all-day tickets” apenas para um dia. Mas tem também passe válido para três dias.

20131212_091724

Selecione a zona que você vai utilizar. Como eu só andaria nos locais mais centrais, selecionei o “Inner zones”. Já aparece no canto direito da tela o período que é válido, para quantas pessoas o ticket é válido (note que está escrito 05 pessoas) e o valor.

20131212_091737

Em estações menores e próximos dos pontos dos trams, por exemplo, você encontrará outra máquina onde dá para comprar também passagens de transporte público, porém apenas para dentro da cidade.

20131212_093009

É bem mais simples. Selecione a língua desejada no canto superior direito da tela. Feito isso, selecione o tipo de ticket que você deseja comprar. No meu caso “Day tickets” (há também um tipo de ticket combinado que dá descontos em pontos turísticos, mas como não teria muito tempo, acabei não comprando).

20131212_092927

Depois disso, escolha a quantidade de pessoas e depois a área que precisará do transporte público. Pronto! Praticamente o mesmo processo.

20131212_092935

20131212_092950

Se for pegar metrô, olhe os letreiros que indicam as estações finais de cada linha, a plataforma, quantos minutos o trem demorará e quantos vagões há. Além disso, em trens para os subúrbios é necessário se atentar qual vagão você tem que pegar. Isso porque pode ser que no meio do caminho apenas alguns vagões sigam caminho para o destino final da linha. Mas não se preocupe que tem tudo desenhado (literalmente) nos painéis.

Em frente ao Hauptbahnhof pegamos o tram 17 até a estação Schloss-Nymphemburg. O palácio foi a residência de verão dos governantes da Baviera e possui um jardim bem bonito com quatro palácios pequenos, mas que infelizmente estavam fechados. Custo € 6,00/pessoa.

DSC_0704

DSC_0675 DSC_0669

DSC_0681 DSC_0697

Depois voltamos para Haupbahnhof e pegamos o metrô para a estação Olympiazentrum (pegamos o metrô U2 até Scheidplatz e trocamos para o U3). Visitamos o BMW Welt and Museum. Estão expostos vários carros no BMW Welt e ao passar por uma passarela, você chega ao museu. Custo € 9,00/pessoa.

DSC_0820 DSC_0826

DSC_0730

DSC_0732 DSC_0764

DSC_0792 DSC_0803

DSC_0744

Ali do lado fica o Olympiapark, local que sediou os Jogos Olímpicos em 1972. Andamos um pouco por ali, já que estava um dia lindo.

DSC_0832 DSC_0852

DSC_0837

Como já estávamos famintos, voltamos para o centro e fomos almoçar no Hofbräuhaus, cervejaria típica da cidade que tem bandinha tocando e muita cerveja e porco. Meu marido pediu o canecão de cerveja e o famoso joelho de porco de lá que vem servido com dumpling de batata. Já eu pedi um outro prato de porco e um refrigerante. Para sobremesa ele ainda conseguiu comer uma torta de maçã. Custo € 40,00/casal.

DSC_0862 DSC_0864

DSC_0866 DSC_0854

Passamos no Königsplatz, praça com importantes museus da cidade, e também andamos na região passando em frente de mais museus e pinacotecas da cidade.

DSC_0870 DSC_0872

DSC_0877 DSC_0875

Fomos visitar depois outro Mercado de Natal, porém dessa vez um medieval que ficava atrás do Odeonsplatz. Adoramos! Todas as pessoas que trabalhavam nas barraquinhas vestidas como antigamente, algumas comidas típicas daquela época e também barracas vendendo carimbos e armaduras.

Também vimos os tradicionais chocolates em forma de ferramentas, mas muito caprichados, pareciam até ferramentas de verdade. E algumas comidas eram servidas em cumbucas no mesmo esquema do vinho quente. Você pagava um depósito junto com o valor da comida, e no final você tinha a opção de ficar com a cumbuca ou devolvê-la e pegar seu depósito de volta. Mercado de Natal super diferente e aprovado!

DSC_0896

DSC_0885 DSC_0889

DSC_0907

DSC_0918

DSC_0923

Dia 1 – Munique

Na viagem que meu marido e eu fizemos para Salzburg, Innsbruck e Munique no começo de Dez/2013, deixamos 03 dias inteiros para Munique e 01 para Fussen. Deu tempo de conhecer a cidade, porém não com tantos detalhes como gostaríamos.

Assim que chegamos bem cedinho de Innsbruck na estação de trem, fomos até o albergue para deixarmos nossas mochilas. Feito isso, tomamos café e pegamos um mapa no centro de informações localizado ao lado da estação de trem da cidade.

Seguindo pela avenida da estação de trem, chegamos ao centro da cidade. Passamos por Karlsplatz (onde fica o Karlstor que era um dos portões principais da muralha da cidade medieval) e andamos na Neuhauser Strasse cheia de lojas, lojas de departamento e shoppings.

DSC_0275 DSC_0281
DSC_0638 DSC_0282Chegamos em Marienplatz, que é o centro e coração da cidade onde fica o Neues Rathaus (hoje prefeitura da cidade). Todo dia às 11h e 12h (e no verão também às 17h) ocorre uma apresentação de carrilhão e com uns bonequinhos se mexendo no prédio da prefeitura. Achei bem sem graça, mas se estiver por lá essa hora, vale a pena conferir por uns minutinhos.

Em Marienplatz também ocorria o Mercado de Natal principal da cidade, com muita barraquinha espalhada vendendo comida e bebida típica e decorações natalinas.

DSC_0285

DSC_0288

Ali pertinho visitamos as igrejas Frauenkirche e Peterkirche, além do Viktualienmakt (famoso market com um beer garden e várias barracas e lojas vendendo comida e bebida). Paramos para almoçar sopa típica num dos locais lá (a minha com salsicha e do meu marido com fígado – eles adoram fígado lá, então vale perguntar qual é a carne antes de comprar – custo de 02 sopas e 02 refrigerantes € 10,90). Depois disso meu marido comeu um sanduíche com carne de porco e torresmo (custo € 4,90) que estava divino!!!

Achamos um barraquinha 100% vegan e adoramos! Compramos chips de maçã e cookies de laranja, mas tinha muita coisa deliciosa lá. Gostamos, pois meu marido é totalmente intolerante a lactose.

DSC_0352 DSC_0362

DSC_0384 DSC_0385

DSC_0390 DSC_0379

Após isso, fomos conhecer o Hofbräuhaus, um beer hall tradicional, bem popular entre os locais e estrangeiros, localizado em Platzl com várias áreas como restaurante, beer garden e salões. Almoçamos lá em nosso segundo dia.

DSC_0401

DSC_0411 DSC_0403

Fomos então em direção à Maximilian Strasse, ao Max-Joseph Platz onde se encontram o Teatro de Munique e o The Munich Residenz, o maior palácio residencial na Alemanha e que foi sede dos governantes da Baviera por mais de 400 anos. Lá compramos entradas não só para entrarmos nele, como também para conhecermos o teatro de lá (custo € 10,50/pessoa).

DSC_0424 DSC_0425

DSC_0443

DSC_0509 DSC_0525

DSC_0506

DSC_0544

Lá também havia outro Mercado de Natal que preferi mais do que o principal da cidade. Isso porque era menor e mais aconchegante, além de ter uma área destinada a crianças que era super bonitinha. Gostamos tanto que voltamos lá à noite para jantarmos e para eu comer sobremesa na minha barraca preferida =)

DSC_0578 DSC_0574

DSC_0621

Logo encostado ao Residenz encontram-se o Hofgarten e o Odeons Platz.

DSC_0601

DSC_0599 DSC_0612

DSC_0633

Ao voltarmos para o albergue andamos pelos diversos calçadões, vendo as ruas todas iluminadas e agitadas, cheias de lojas.

Science Museum

Final de semana fui ao Science Museum que é ótimo para passar horas, independente da idade. Possui diversas áreas sobre ciência médica, veterinária, aviões, energia, telecomunicações, etc.

DSC_0140

Existem diversas áreas com exibições interativas, onde o visitante consegue aprender com o contato e experiência, o que é muito bacana para crianças e até adultos.

DSC_0121 DSC_0118

Science Museum é gratuito, mas existem atrações pagas como cinema, simulador e algumas exibições especiais que variam de tempos em tempos.

DSC_0128 DSC_0127

Para chegar lá é fácil. Basta ir até a estação de metrô South Kensington pelas linhas District, Circle ou Piccadilly. Fica próximo ao Natural History e V&A.

V&A Museum

Ao lado do Natural History e Science Museum está o Victoria and Albert Museum. Um museu também gratuito que possui apenas as exibições especiais pagas. Possui algumas caixinhas para doações, como os demais museus gratuitos na cidade.

v_a_museum_nw120709_2

20130804_154219

Há exibições permanentes de arquitetura, cerâmica, jóias, esculturas, tapeçaria, roupas, além de coleções separadas por regiões como europeia e asiática, por exemplo.

20130804_155542

O museu não é grande, mas é muito bonito! Além disso, possui cafés e um restaurante aconchegante perto do jardim, que também é belíssimo e você pode passar horas por lá relaxando.

IMG_20130804_161722

A estação mais próxima é a de South Kensington nas linhas Circle, District ou Piccadilly.

Dia 3 – Amsterdã

O último dia de Amsterdã ficou concentrado em atrações próximas ao hostel. Fiz o check-out pela manhã, guardei minha mochila no armário da recepção e lá fui eu para os museus.

Passei pela praça Museumplein, onde se encontram importantes museus da cidade, além das famosas letras “Iamsterdam”. É um local muito agradável também para ficar sentado nos bancos ou no gramado apenas observando a movimentação.

DSC_0555

Logo depois fui ao museu Van Gogh, pois já havia comprado o ingresso pela internet para evitar fila. Porém, na hora da compra, você precisa selecionar o dia e a hora da visita no site. Paguei € 15,00 e fui visitar no primeiro horário.

DSC_0569

Ao lado dele se encontra o Stedelijk Museum, com foco principal em arte moderna. E do outro lado da praça fui ao Rijksmuseum. Também já havia comprado ingresso pela internet, mas nesse caso você compra sem ter que agendar um dia específico. O ingresso é válido por 12 meses a partir da compra e também custou € 15,00.

DSC_0594Como já estava tarde e estava faminta, decidi visitar e comer lá na Albert Cuyp Markt a algumas quadras de distância. É uma rua com uma feira normal dessas que você encontra facilmente no Brasil com barracas de frutas, comidas e algumas roupas. Há também alguns cafés e restaurantes na própria rua do market ou nas ruas próximas.

Lá você pode comer o doce típico deles stroopwafle (duas massas finas com recheio no meio), o arenque ou então a batata frita num cone cheio de maionese.

250px-Gaufre_biscuitAh! Bateu fome durante o dia? Você pode encontrar lojas Febo espalhadas pela cidade. São lojas muito populares que vendem salgados ou sanduíches nessas cabines pequenas da foto. Você coloca a moeda e abre a portinha para pegar o que comprou. Porém, a máquina não dá troco, mas não se preocupe que sempre tem uma máquina ao lado que troca dinheiro. Então você coloca sua nota lá e ela te dá moedas, depois você coloca as moedinhas para comprar seu lanche.

DSC_0146A tarde fui caminhar pelo Vondelpark que é bem grande e possui diversos lagos e cafés.

DSC_0660 DSC_0658Na hora de ir embora optei por pegar o ônibus como na chegada. Há um ponto de ônibus bem próximo a Museumplein, na rua do lado ao hostel. Aguardei 10 minutos e peguei o mesmo ônibus 197 para o aeroporto.

Caso você precise passar um tempo lá antes de embarcar, há diversas lojinhas no terminal ou então algumas outras dentro da sala de embarque.