Parque das Aves

Fui ao Parque das Aves e gostei bastante do passeio. As aves são bem cuidadas, o local é organizado, limpo e com funcionários super atenciosos. Realmente tive uma boa impressão de lá. O valor para entrar é de R$ 20,00/pessoa e passamos entre 1h e 1,5h lá dentro.

DSC_0455

Você segue um percurso e observa as diversas aves do parque. Em alguns lugares você pode entrar na gaiola com as borboletas e aves como araras e tucanos, por exemplo. É uma experiência muito boa, pois os tucanos são super amigáveis e curiosos e já as araras começam a brincar e dar rasante nos turistas (como na foto abaixo).

DSC_0524 DSC_0501

DSC_0472

No final você consegue segurar uma arara e tirar fotos antes de passar na lojinha que se encontra na saída.

DSC_0531

Anúncios

Cataratas do Iguaçu – Lado Brasileiro

Como já comentei no outro post, achei o lado Argentino mais impactante, mas o lado brasileiro tem belíssimas paisagens de tirar o fôlego de qualquer um e que podem ser vistas e fotografadas de vários locais, seja pela trilha, mirante, barco, passarela, etc. Realmente um lado complementa o outro, portanto acho obrigatório passar pelo menos um dia em cada um.

DSC_0685 DSC_0604

Passei o primeiro dia no lado brasileiro, o segundo no lado argentino e o terceiro voltei ao brasileiro e fui também ao parque das aves (pois meus amigos queriam ir ao Paraguai).

Fomos às Cataratas de carro (pois estava com meu marido e um casal de amigos, então decidimos alugar) e pagamos R$ 15,00 no estacionamento. Já a entrada custou R$ 25,10/pessoa.

DSC_0574

Logo que você chega já pega um ônibus que se utiliza para locomoção dentro do parque. Esse ônibus passa com bastante frequência e existem pontos específicos onde eles param. Há diversos passeios de trilha, jipe, helicóptero, arvorismo, rapel, etc, mas optamos apenas pelo Macuco Safari, onde passamos por uma trilha com um carrinho elétrico (uma parte dela pode ser feita a pé) + barco inflável que chega próximo a uma queda (diferente do Argentino que chega em duas). Porém, achei que nesse você entra mais embaixo da água, é para se molhar mesmo! Ainda decidimos ficar bem na frente do barco, o que lavou ainda mais a alma. Por isso, não esqueça de guardar seus pertences num armário alugado que fica no próprio local. Mesmo usando capa de chuva, nos molhamos completamente!!!! (Já no argentino, molhamos menos) O passeio custa aproximadamente R$ 130,00/pessoa, mas você pode comprar com desconto se fechar um pacote incluindo algumas atrações através das agências.

Durante a trilha onde você observa os mais diversos ângulos e as várias quedas, você encontra o elevador que leva ao mirante e também a passarela que chega bem próximo de algumas quedas. Se prepare para molhar, muito ou pouco dependendo do tempo e vento, já que fica bem próximo mesmo. Além disso, quando é época de cheia eles podem fechar parte dessa passarela por segurança.

DSC_0659

DSC_0905

DSC_0657

Decidimos almoçar no restaurante que tem lá chamado Porto Canoas, um espaço amplo com buffet com muita variedade e uma comida excelente. Só não espere ter uma vista belíssima das cataratas, pois só tem uma vista da parte antes das quedas, ou seja, a parte que a água está mais “calma”. Valor R$ 45,00/pessoa sem bebida. Mas há também lanchonetes no local, porém não espere muito da qualidade e o preço é bem salgado.

Puerto Iguazu

Aproveitei duas noites para sair para jantar com meus amigos durante a viagem para Foz e decidimos ir até Puerto Iguazu em alguns restaurantes indicados em blogs. No caminho do primeiro dia pegamos muito trânsito na fronteira e então decidimos dar uma passada no Duty Free tão famoso. Sinceramente não achei nada demais e ainda achei os preços caros se comparados a outros Duty Frees, portanto para nós não compensou a visita. Ao passarmos na fronteira pediram nos documentos e perguntaram onde iríamos. Digitaram os dados e nos liberaram.

Fomos em dois restaurantes:

El Tío Querido, restaurante muito bom, amplo, com show de tango e estacionamento. Preço médio por pessoa R$ 55,00 e a conta pode ser paga em reais.

img-inicio-1Aqva, restaurante bem menor e geralmente é necessário fazer reserva. Como fomos jantar cedo, conseguimos uma boa mesa que não estava reservada. Comida maravilhosa sendo o custo médio por pessoa de R$ 60,00 e a conta também pode ser paga em reais.

aqva-restaurant-iguazu

Cataratas do Iguaçu – Lado Argentino (Passeios)

Alguns passeios podem ser feitos dentro do parque como o Aventura Náutica (passeio de lancha), Gran Aventura (passeio de jipe pela mata + lancha nas cataratas), um passeio Ecológico e Isla San Martín (uma ilha onde há uma prainha e é possível fazer uma trilha).

Optei por fazer apenas o Aventura Náutica, que é um passeio similar ao Macuco Safari no lado brasileiro. O passeio custa aproximadamente R$ 60,00 e tem duração de 12 minutos. Há dois pontos de venda dentro do parque (um próximo a entrada do circuito inferior e outro perto do embarque no mesmo circuito). Há passeios frequentes, portanto é só comprar os ingressos e aguardar numa escadaria para o embarque.

DSC_0291

Nesse passeio a lancha chega próximo a duas quedas e no início é possível admirar e tirar fotos da paisagem de dentro do bote. Logo que você entra eles te entregam um saco estanque para guardar suas coisas, portanto após as fotos no bote é possível deixar tudo seguro para não molhar nenhum equipamento.

Antigamente as manobras eram mais radicais, mas depois do acidente que ocorreu em 2011 nesse lado argentino os passeios ficaram mais “suaves”, molhando menos que o lado brasileiro. Eles chegam bem próximos das quedas e é possível observar bem a paisagem.

DSC_0289

Como decidimos fazer esse passeio, ficamos o dia todo no parque. Chegamos por volta das 09h30/10h e saímos às 18h. Deu tempo para caminhar tranquilamente, tomar um lanche e fazer o Aventura Náutica.

Cataratas do Iguaçu – Lado Argentino

Quando pensamos nas Cataratas do Iguaçu, logo temos em mente aquela pergunta “Qual lado é melhor, brasileiro ou argentino?”. Na minha opinião cada um tem sua beleza e suas características e acredito que se complementam, portanto acho imperdível visitar os dois lados. Comentei sobre as cataratas no post anterior.

O ingresso do parque argentino custa 115 pesos para pessoas do Mercosul e só são aceitos pesos para compra dos ingressos. Após isso você tem alguns circuitos que podem ser realizados e o primeiro que fiz foi para a Garganta do Diabo onde é necessário pegar um trenzinho e depois caminhar por uma passarela de 1100 metros. Obs: Precisei pegar um trem da entrada do parque até uma estação intermediária e depois pegar outro que levou até o destino final.

Esse trem tem horários para as saídas, que podem ser de 30 minutos ou mais, portanto programe-se para não ficar tempo demais esperando.

DSC_0047

Após a caminhada você observará uma paisagem incrível e impactante. A força da Garganta do Diabo realmente é impressionante, mas quando está muito cheia fica difícil admirar sem ficar molhado e com a máquina fotográfica cheia de respingos na lente.

DSC_0070

DSC_0081

Para os demais circuitos é necessário voltar pela mesma passarela e pegar o trem até a estação intermediária. Lá encontram-se dois circuitos: o inferior e o superior, ambos com passarelas também.

DSC_0182 O circuito superior é menor e tem 650 metros, mas não deixa de ser lindo demais.DSC_0207 DSC_0218 DSC_0243

Já o circuito inferior tem o percurso mais longo, sendo necessário caminhar por mais de 2,5 km. Caso queira comer ou beber algo, existem lanchonetes entre os circuitos.

No lado argentino além de você ficar de queixo caído ao ver de pertinho a Garganta do Diabo e ver a abundância de água e toda a força de sua queda, também consegue admirar algumas quedas que não são possíveis ver no lado brasileiro e também as mesmas quedas do lado brasileiro, porém de ângulos diferentes.

Durante sua caminhada você encontrará companheiros de percurso.

DSC_0400

Como chegar:

– Fui ao parque de carro alugado (não esqueça a carta verde que é obrigatória) e confesso que é muito fácil chegar até lá mesmo sem GPS. O estacionamento custa 40 pesos.

– Uma outra opção é ir de táxi e a recepção do hotel nos informou que custa um pouco mais de R$ 80,00 do centro de Foz até lá.

– Você pode ir também de ônibus pegando uma linha até Puerto Iguazu e outra direto para o parque, “El Práctico”, ônibus que tem saídas a partir das 7:10 a cada 20 minutos.

– Ou então pode fechar um pacote através da agência de turismo que custa R$ 85,00 ida e volta por pessoa.

Foz do Iguaçu

Como disse minha melhor amiga “deveria ser obrigatório todo brasileiro conhecer Foz”. Confesso que realmente sempre deixei de lado essa viagem e senti vergonha de não ter visitado antes esse lugar maravilhoso.

Existem épocas que as cias aéreas fazem promoções de milhagens e com 3.000 pontos você consegue resgatar um trecho para Foz. Ou então, fechar um pacote de 3 noites por um valor baixo e ainda divido em várias vezes, portanto não tem desculpa.

Cataratas

Quando ir:

As épocas de chuva e de cheia são na primavera e no verão. Já o outono e o inverno são épocas de seca. Os dois têm seus prós e contras. Na cheia é possível observar e se surpreender com o volume ainda mais intenso das cataratas, porém algumas vezes as passarelas podem ficar interditadas por causa da grande quantidade de água, além de ser complicado observar por muito tempo a paisagem, pois os pingos de água são fortes. Já na seca não se pode ver a força intensa das cataratas, porém é possível admirar e tirar belíssimas fotos da paisagem nos parques.

Eu fui em maio e achei a época perfeita, pois estava sol (só choveu um dia) e além disso, é uma época em que as cataratas não estão tão cheias nem tão vazias. Para mim foi na medida certa!

Onde se hospedar:

Há um hotel de cada lado dentro dos parques das cataratas, mas também existem hotéis na rodovia que leva ao parque brasileiro, em Puerto Iguazú e também no centro de Foz.

Decidi ficar no centro de Foz pelo custo ser menor e pelas facilidades da região e de locomoção. Fiquei hospedada no Hotel Bella Itália, localizado perto de um shopping (o que facilita na hora de trocar dinheiro, comprar algo que precisa ou tomar um lanche) e na mesma rua do terminal de ônibus que leva às cataratas. Hotel 4 estrelas, bem antigo, limpo, com farto café da manhã, wifi, estacionamento e possui um balcão de agência de turismo caso queira fechar pacotes.

Hotel Bella Italia

Quanto tempo ficar:

Acho que depende muito do que você pretende fazer em Foz. No meu caso eu queria ir aos parques, Itaipu e Parque das Aves, portanto 3 dias inteiros foram suficientes. Caso queira algum passeio específico nos parques que tome mais tempo, ir ao Paraguai ou visitar outros lugares, acredito que precise de mais tempo para viajar com calma.

Como se locomover:

Para fazer os passeios é possível fechar os pacotes com agências de turismo, ir de ônibus para economizar ou então alugar um carro. A terceira opção foi minha escolha, pois estávamos em 4 pessoas e sairia mais barato dividirmos o valor e nos daria maior flexibilidade.

Você consegue alugar um carro simples por um pouco mais de R$ 100,00 por dia reservando com antecedência. Caso opte por essa opção, é necessário adquirir a carta verde que é um seguro obrigatório caso você vá para o lado argentino dirigindo e custa aproximadamente R$ 70,00 por três dias.