Um dia em York

Meu marido e eu aproveitamos uma promoção da empresa East Coast e compramos passagens de trem para um bate-e-volta à York. As passagens custaram £20/pessoa e conseguimos aproveitar bastante nosso dia na cidade. Pagamos um valor muito baixo se comparado ao preço da passagem normal. Geralmente utilizo o site The Train Line para comprar passagens de trem aqui no Reino Unido, pois ele já te mostra todas as empresas e opções de trens que fazem o percurso desejado. Pegamos o trem às 8h na estação de King’s Cross e chegamos à York em menos de 2h de viagem.

Para ter uma ideia de como é o centro da cidade de York, veja nesse mapa aqui.

York

 

Começamos a andar pela cidade e logo avistamos os muros que ficam em torno da old town. Passamos pela Lendal Bridge e demos uma passadinha no Museum Gardens. Entramos no Centro de Informações localizado na Museum Street para pegar algumas orientações e seguimos direto para a York Minster.

 

 

 

 

Chegando lá na frente vimos um grupo que estava para iniciar um free walking tour às 11h e decidimos ir junto com eles. Esses tours são ótimos, pois você aprende muita coisa e o melhor é que são de graça. No final do tour você contribui financeiramente com a quantia que desejar, puder e achar justo.

A empresa escolhida foi a White Rose York Tours e ela possui free tours diários às 11h e 15h em frente a York Minster. Na pracinha em frente a igreja, você verá uma plaquinha escrito free tour, não tem erro. Foram 3h de tour que nem vimos passando, pois nosso guia, Alex, era incrível. Ele parecia um pirata e tinha um conhecimento de cair o queixo! Apesar de ser um tour longo, achei que valeu cada minuto e ainda paramos 15 minutos no meio do tour para tomarmos um café. No final do tour você pode dar um valor que ache justo. Esse foi excelente e realmente muito melhor que qualquer ônibus Hop on – Hop off. Tem gente que dá £5, outros dão £10 e outros dão mais… vai de cada um.

O tour saiu da York Minster e foi em direção a rua High Petergate. Paramos em frente ao portão localizado nessa rua e ele nos contou um pouco da história da cidade. Esse portão foi o principal na cidade e foi construído pelo romanos. Sua vista é em direção ao norte, ou seja, direção da Escócia.

 

Depois partimos para o The King’s Manor, antiga residência de um abade da Abadia de St Mary, mas que atualmente é parte da Universidade de York.

Ali do lado visitamos o Yorkshire Museum e a St Mary’s Abbey, onde se encontram apenas as ruínas. A abadia foi construída pelo homem mais rico do mundo na época, mas foi desmantelada pela população quando desocupada, incluindo seu telhado de estanho que valia bastante dinheiro naquele tempo.

O museu e as ruínas da abadia ficam em um jardim botânico que foi criado quando essa área foi doada para a construção do hospital St Leonard’s. Esse era o maior hospital medieval no norte da Inglaterra, mas atualmente você também só encontra suas ruínas. O hospital era tão grande que abrigava mais de 200 leitos. Para se ter uma noção do tamanho do hospital, ele ia desde suas ruínas encontradas hoje até depois do York Theatre Royal.

St Leonard’s hospital era focado mais na religião do que na cura pela medicina tradicional. Por esse motivo, parte dos tratamentos eram confissões de pacientes e rezas durante o dia. O tratamento médico tradicional da era medieval também era oferecido, como a retirada de sangue usando sanguessugas ou colocando pedras extremamente quentes sobre pontos específicos do corpo do paciente.

Em frente ao York Theatre Royal você verá uma construção que lembra o Royal Crescent em Bath. Porém, esse prédio não deu certo, pois o responsável ficou sem dinheiro durante a obra e ainda não o deixaram demolir mais partes do muro da antiga fortaleza romana. Ainda bem, pois ele já tinha destruído uma parte dela.

Subimos e percorremos uma parte da muralha, até sairmos no portão do Monkgate Bar – Richard III Experience. Andamos pela rua Goodramgate onde ele contou mais um pouco da história da região e paramos para um café durante uns 15 minutos.

Entrei num café por ali para comprar cupcake que era a coisa mais fofa! Aliás, York tem muitos restaurantes e cafés que achei mega charmosos!

 

 

Nessa rua vimos uma escultura de um gato numa janela e achamos curioso. Nosso guia comentou que existem 28 esculturas de gatos nos prédios espalhados pela cidade (só consegui achar 2). Isso surgiu no início do século XX quando um arquiteto colocou a primeira escultura de gato e logo após isso outros seguiram a mesma ideia. Isso teve origem da época medieval quando os moradores e comerciantes colocavam gatos na frente de suas residências/estabelecimentos para afastar ratos.

 

 

 

Depois da pausa seguimos para a rua mais famosa da cidade e uma das ruas medievais mais bem preservadas, Shambles. Essa rua era famosa pelos açougues que existiam nela. Ainda pode-se notar os ganchos expostos nas fachadas das lojas, pois eles eram utilizados para pendurar as carcaças dos animais. Além disso, é possível notar a proximidade dos andares superiores de algumas construções, que tinham como um dos intuitos a proteção da carne dos raios de sol diretos. Em alguns pontos, as lojas dos dois lados da rua são tão próximas que é possível duas pessoas darem as mãos com os braços estendidos.

Naquela época também era comum o despejo dos restos de animais e do sangue diretamente na rua. As calçadas eram levantadas dos dois lados, formando então um tipo de canal que era lavado duas vezes por semana.

Essa famosa rua parece um “tourist trap”, mas na realidade é um bom lugar para comprar itens artesanais da região.

Andando um pouco mais avistamos a igreja All Saints que possui uma lanterna em seu topo. Ela foi instalada no passado para criar um ponto de orientação para as pessoas, já que esse era o único ponto iluminado da região. Se perder nas florestas ao redor da cidade era muito fácil antigamente e com essa luz as pessoas conseguiam se orientar.

Passamos então pela Câmara do Comércio (Merchant Adventures’ Hall), local responsável pelo licenciamento do comércio. Todo comerciante tinha que contribuir para a câmara, tornando esse um dos mais poderosos órgãos, já que possuíam grandes recursos financeiros.

Atravessamos a rua e passamos por uma pontezinha ao lado do Shopping Fenwick. Nosso guia nos explicou a relação dos vikings na história da cidade de York e também nos contou um pouco sobre o chocolate na região. Um fato que eu não sabia é que o chocolate Kit Kat foi inventado lá e só no século XX a fábrica foi comprada pela Nestlé.

Nosso tour estava chegando ao final, então fomos para os últimos pontos ali do lado. Passamos pela Clifford’s Tower, torre principal da fortificação e que atualmente fica no meio de um estacionamento. A torre viveu seu dia mais sangrento quando um grupo antissemitas forçou todos os judeus da cidade a se refugiarem lá dentro. Após dias de cerco, sem água e sem comida, os judeus decidiram se martar, porém sem cometerem suicídio. Portanto, o homem de cada família matou seus parentes. O rabino matou os chefes das famílias e colocou fogo no local, queimando todos os corpos e se matando.

Outro famoso incidente também ocorreu na mesma torre. Os barris de pólvora estocados no local pegaram fogo provocando uma grande explosão, onde danificou a estrutura da fortificação, arrebentando inclusive seu teto. Caso queira, você consegue visitar lá dentro (atração paga) e observar que a torre não foi reformada após esse acidente.

Em frente a Clifford’s Tower está o York Castle Museum, que infelizmente não entramos por falta de tempo.

Um último detalhe que esqueci de contar que o guia falou no tour, sobre Guy Fawkes. Ele estudou na St Peter’s School em York e esse é o único local que não comemora o dia 5 de novembro. Para quem não sabe, Guy Fawkes é famoso em todo o mundo, pois ele tentou explodir o parlamento de Londres por motivos religiosos. A Grã Bretanha era protestante e estava perseguindo cristãos, e como Guy era um cristão fervoroso, ele entrou num plano de matar vários monarcas ao mesmo tempo para que um cristão assumisse a região. Ele não obteve sucesso, pois um de seus comparsas estava avisando cristãos que iam ao parlamento naquele dia para não irem, já que ele seria explodido. Uma pessoa entregou então esse comunicado à realeza da época, que prendeu e torturou Guy por dias. Ele conseguiu se suicidar antes de sua execução, pulando do local onde seria enforcado evitando assim a agonia das torturas que ocorriam antes de seu enforcamento. Falei um pouco sobre a celebração desse dia aqui em Londres nesse post aqui.

Terminado o tour, fomos direto para a York Minster. Pagamos o ingresso para visitar a igreja que custou £10/pessoa. Não visitamos a torre para ter uma vista de cima da cidade, pois ela ocorre em horários programados e ficaríamos com o tempo meio apertado. Porém, caso queira você consegue subir os 275 degraus da torre por mais £5/pessoa.

Essa imagem abaixo é de um painel que está na frente do vitral principal que está sendo restaurado na igreja. Ele possui 311 painéis de vidro, que serão limpos e reparados individualmente. Possui uma altura de 23.7m, mesmo tamanho de uma quadra de tênis. Além disso, a conservação de um painel pode custar até £25,000!!!

Enquanto ele não está finalizado (aliás estimam que será totalmente finalizado em 2018), colocaram uma estrutura com alguns vitrais já prontos para que possamos ver. A restauração de um quadrado pode levar até 600 horas.

Em frente a igreja vimos um artista de rua fazer pinturas incríveis!

Passeamos pelas ruazinhas do centro admirando cada construção e lojinhas. Inclusive fomos comprar uns docinhos na loja Bettys, super famosa na cidade. Em uma de suas lojas havia uma fila gigante de pessoas aguardando para tomarem o famoso chá da tarde.

Depois do passeio pelas ruas charmosas paramos para almoçar num pub e já foi o tempo de irmos para a estação de trem, pois nosso trem partia às 18h57. Adoramos nosso dia em York! Se você resolver passar um final de semana por lá, não se arrependerá, pois tem muita coisa para se fazer nas regiões próximas ao centro.

Caso deseje ir em várias atrações pagas na cidade, veja se vale a pena adquirir o York Pass. Você paga um valor fixo que inclui a entrada de diversos lugares.

Anúncios

2 respostas em “Um dia em York

    • Oi Paula,
      Eu comprei através de uma promoção que saiu para leitores da Time Out há uns 2 meses atrás. Ela ficou por poucos dias e como estava MUITO barata, resolvi comprar na hora. Mas é sempre bom ficar de olho… se eu souber de algo, aviso 🙂
      Bjos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s